terça-feira, 26 de setembro de 2017

Ternuras



Eu me reinvento em abraços
para criar mais espaço
para mim mesmo

Mergulho em ternuras
amo os amigos, os gatos,
meus versos, meus erros
e mais ainda meus acertos

Eu me apresento na versão
melhor de mim mesmo
para encurtar distâncias,
essas que somem nos abraços...!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

As Três Chaves


Se dormes em paz sobre
o amanhã incerto, então,
ainda que não saibas
dormes pela FÉ!

Se apesar de todos os riscos
agruras, e fracassos continuas,
é porque te guias a ESPERANÇA.

E se te inclinas a um desconhecido
para um gesto de auxílio, apoio
ou carinho, ainda que negues
és movido pelo AMOR.

Então, assim, neste mundo cínico
de ceticismo, cobiça e pretenso
desamor, os sentimentos lindos
que tu condenas ou rotulas 
de piegas, cômicos, ou inúteis
te orientam!

E é justo essa a possível
salvação deste mundo.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Faca


O amor é faca de dois gumes, 
um lado tem perfumes, maciez, ternura...

Do outro só durezas e cortes profundos
de pura ausência...

Para os que amam o amor nunca basta,
para os que não amam o amor nunca chega

E para quem o desconhece é uma fantasia
inventada pela solidão

Mas são esses os mais perdidos,
pois que anseiam na posse e na ânsia
do instinto, o amor que jamais conhecerão!

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Concha



A gente se contamina
de si próprio 
e nem percebe...

Se toca, mas
não se sente,
se repete,
se esquece
e continua

A coisa mais dura
do mundo
é curar-se de si mesmo...

terça-feira, 12 de setembro de 2017

À Flor dos Versos

Soube que Carmen Sílvia Presotto nos deixou no dia 11/09/2017, ela foi uma cliente que me incentivou a criar este blog para mostrar os meus poemas ao mundo... Eu a chamava de Fada Madrinha dos meus versos, e eles vieram assim em homenagem à Carmen, que subiu a escada dos versos e se perdeu de nós...



À Carmen Sílvia Presotto In Memoriam 


Lembro que vi em ti 
um roseiral cintilando ao sol,
e pássaros de fogo 
desdobrando-se nos céus!

Eu vi em ti a tua poesia, 
e mais que a poesia 
que respiravas, 
eu vi a poesia 
que exalavas
pois que um poeta 
enquanto vive é 
a sua poesia
e quando parte 
ele é então toda a poesia...

E, assim, tu és agora 
todos os pássaros de fogo
que sobrevoam 
a nossa inspiração,
e todos os roseirais desta vida!

Saudades, saudades, 
e para sempre
saudosos Madrinha...

Silêncio Letal



A brutalidade das 
palavras de ódio
talvez sejam 
tão peçonhentas quanto
as palavras não ditas

Essas que ficam pra depois, como:
"Volta!", "Eu te amo!", 

"Senti tua falta",
"Sonhei contigo", 
"Por favor, me perdoa..."

Essas palavras de um depois 
que nunca chega,
viram pedras sem valor,
que não adornam joias,
nem constroem nada,
a não ser uma trilha
de desamor

Sobre Caminhos...

Tem caminhos que se acha, tem também caminhos que nos acham... Mas eu acho que tem  caminhos que se acha dentro, depois de muitas j...