terça-feira, 30 de agosto de 2016

A Árvore da Paz...


Minha infância dorme à sombra 
de uma imensa árvore de copa ampla
que enchia de flores amarelas na primavera, 
e pingava sementes dentro de vagens
que pareciam gotas despencando dos galhos, 
mas desciam girando feito helicópteros
que eu, minha irmã e vizinhos, brincávamos 
numa disputa pra ver quem conseguia apará-los
sem deixar cair no chão... O Vencedor colhia as sementes, 
brincava com elas, e depois as devolvia ao chão... 
Assim éramos todos, sem saber, 
disseminadores do gigante
que nos acolhia em seus galhos, 
e nos dava assento em suas raízes enormes...

Sucumbiu ao progresso; um terreno enorme e vazio 
atraía a cobiça dos edifícios e de seus construtores. 
O gigante calado nos viu comprar sua briga, defender sua vida,
abraçar seu tronco em protesto... Mas vieram os homens da lei, 
que nunca estiveram ao lado da beleza e da harmonia, 
e cortaram em pedaços o gigante... Dias antes,
numa ventania, ele fez gemer alto suas folhas 
e seu tronco, sabia que ia morrer!
Mas gritar a quem? Implorar por quem? 
Às crianças que corriam à sua volta?
Aos velhos que sentavam à sua sombra? 
Nem tinha flores nesse dia... Só tristeza!

Mas não importa! Ainda em algum lugar em mim 
ele viceja com sua copa verdejante,
com suas flores amarelas e seus helicópteros de alegria, 
que trazem na barriga as sementes do descanso 
que hoje vai longe, naqueles dias sem pressa, 
naquele tempo em que o tempo
parecia nos conduzir à eternidade de dias iguais 
em leveza, prazer e sonhos bons...
Descobri mais tarde que o gigante se chamava guapuruvu... 
Que significa "madeira podre" em guarani... Mas tomei a decisão 
de que significa para mim, e para sempre, "madeira da paz",
onde estou deitado à sombra de suas flores até hoje,
escrevendo versos que abrem asas ao infinito...

Sobre Caminhos...

Tem caminhos que se acha, tem também caminhos que nos acham... Mas eu acho que tem  caminhos que se acha dentro, depois de muitas j...