segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Lembrança



Agora os trovões rosnam lá fora,
mas sei que tu ouvirias cavalos de fogo
a percorrer em fúria o céu noturno,
e cantarias os cânticos da chuva
e o ritmo do vento...
E as cores da noite, com os matizes
do silêncio, coloririam o teu poema...

Mas tu não estás, e teu canto agora
está dentro da noite, e no coração
da terra, junto da minha saudade...

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Viagens...



Outra vez, e outra vez
os barqueiros  da noite
vêm remando e agitando
com seus remos
as águas turvas
do meu pensamento,
onde ponho
estrelas de versos
à dirigir-me firmemente 
ao oriente de mim mesmo...

Destino de mares escuros
onde habitam todos os
mistérios do mundo,
que são remexidos 
pelas teorias das gentes,
em suas buscas por verdades
urdidas com tramas de medo,
pois que nesse mundo vazio
todos os segredos têm
de ser desacreditados
para sustentar
inúteis sentidos...

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Criadouro


Alimento todo dia, na pequena gaiola do meu peito,
um coração faminto de versos, de sonhos e poesias,
sedento de chuvas e de ventanias...
Um coração de presságios e profecias,
que eu por vezes, cheio de travessura,
deixo escapar da gaiola segura,
para se aventurar no universo das ruas...

terça-feira, 11 de outubro de 2016

A Cidade dos Bruxos


A pequena cidade dos bruxos,
tem luares sobre abóboras,
vassouras voadoras dormindo
ao lado das portas...
Gatos pretos esgueirando-se 
pelos sabás...
Tem oráculos de fumaça e fogo,
e segredos revelados
nas palmas das mãos,
e na face dos arcanos...

E nos canteiros, ervas encantadas
de veneno e cura,
e água pura que borbulha
à espera de chás bebidos
em conversas sobre o oculto,
ou em fofoca sobre os vizinhos

Na cidade dos bruxos
tudo transcorre quase quase
como no resto do mundo todo,
com a diferença de que
não há susto no que nos outros
causa muito medo...

Na cidade dos bruxos
tudo é pleno de sentidos,
e se conversa em sonhos
com os entes queridos,
que nunca são esquecidos,
e se fala com aves e flores,
e as árvores ensinam coisas
sussurradas aos ventos...

Na cidade dos bruxos
se conversa com o silêncio,
e os idosos e as crianças
são chamados de sábios...