Os Quatro Guardiões


Um Conto Sobre a Vida Mágica...


Mais uma vez veio a mim aquele menino magrelo e orelhudo que na semana anterior se apresentou como um jornalista de um periódico sobre ocultismo e temas da Nova Era. Ele tinha ouvido falar sobre um mago de uma antiga ordem irlandesa que havia se instalado no sul do Brasil e queria mais informações! Parecia displicente demais para alguém que se dizia interessado em temas ocultos e espirituais. Claramente eu sentia seu desinteresse por certos assuntos meus quando ele fazia apenas um “hum” a uma resposta minha antes de trocar de assunto. Marcamos a entrevista para essa semana.
Suas perguntas começaram com:

Nuada - O Guardião Dourado do Leste

Como começou a ordem de vocês?

- Com um antigo mago irlandês que migrou para nosso país nos anos 40 e como era um Mestre Guardião do Leste deu início a busca pelos outros magos dos outros quadrantes. Esses mesmos magos foram passando essa incumbência de tempos em tempos. Atualmente eu sou o terceiro mestre guardião do Leste, o quadrante mais difícil!

Por quê? Indagou ele com olhos brilhantes.

- Porque é o cargo de mais responsabilidade e o que detêm a liderança dos outros mestres.

Como você foi escolhido?... E os outros mestres?... O rapaz parecia aflito com sua própria curiosidade, e pessoas assim me impacientam, elas parecem não se importar muito com o conhecimento e querer apenas a informação como um fofoqueiro de plantão...

- Cada mestre tem imensa afinidade com o elemento correspondente ao quadrante que ele nasceu para velar. Eu, por minha vez, sempre fui dado a estudar os temas ocultos e misteriosos, e o mundo dos símbolos também sempre me atraiu. Mitologia, simbologia e oráculos como o tarot, a astrologia e as runas, por exemplo, me fascinaram sempre! A busca pela sabedoria e a interpretação simbólica são coisas associadas ao Leste, o quadrante do sol nascente que por isso mesmo representa a luz, e o esclarecimento, que todo buscador espiritual almeja. O saber é literalmente o “ar” que alimenta a alma de um buscador. Por isso o Leste também está associado a este elemento.
Eu sempre fui Inspirado pelas vozes que conversavam comigo nos dias de ventania, me davam avisos e profecias, e também respondiam a tudo que eu lhes perguntasse. Fui levado ao meu Mestre por essas vozes sem saber bem onde estava indo. Fui seduzido por essa sabedoria e o Mestre reconheceu em mim uma alma irmã! Muitos vieram antes de mim, mas somente eu fui escolhido. Meu Mestre me transferiu a liderança apenas seis anos antes de morrer. Ficou muito tempo nessa posição.

E os outros? Insistiu ele.

- Da mesma forma os outros apresentaram-se a mim com o passar do tempo. Nem sempre os substitutos aparecem imediatamente após a morte do seu antecessor...

Interrompendo-me ele disse:
Então é um cargo vitalício? Ninguém pode abandonar ou desistir?

- Sim, podemos deixar essa oferta pra lá e pensamos em desistir todos os dias, em princípio, mas com o tempo a importância de nossa missão vai ficando mais nítida e hoje todos os que estão em seus postos lá ficarão até o fim de seus dias!

Eles lhe disseram isso?... Como o senhor sabe?...

- Apenas sei. Não se esqueça de que meu dom é ler os sinais, e eles não estão apenas nas cartas do tarot, nos glifos rúnicos ou nos signos astrológicos! Antes de tudo eles estão nas pessoas, em seus corações e, portanto, em seus rostos!

Vocês vivem do quê, quer dizer, possuem outro trabalho que os sustente? Indagou-me enquanto coçava uma de suas orelhas enormes, com aquele indisfarçável ar de desconfiança dos que veem nisso a possibilidade algum tipo de exploração!

- Não, vivemos exclusivamente de nossos dons! No passado isso não era possível porque havia muito preconceito com essa atividade e pouca valorização do público como um todo! Além do que a busca espiritual não havia surgido com a relevância que ela vem tendo nos dias atuais. Quanto mais exercemos nossas atividades melhores ficamos. Nossos dons naturais foram ampliados assim que aderimos à ordem mágica. Hoje quando olho para um símbolo sagrado ou mágico ouço com clareza uma frase em minha cabeça revelando o seu significado dentro daquele contexto instantaneamente! Eles falam comigo! Qualquer explicação breve sobre um novo sistema oracular, por exemplo, já me serve para ampliar meu conhecimento. Uma ideia leva à outra e logo o saber sobre a nova disciplina se abre por inteiro. Isso espantou meu próprio Mestre! Em pouco tempo eu era capaz de discorrer tudo sobre qualquer conhecimento que me fosse apresentado e de exercê-lo eximiamente! Essa é a dádiva dada aos Mestres do Leste, bem como o dom da palavra como um todo, a oratória, a escrita, a poesia, e os encantamentos. Uns as desenvolvem mais e mais rapidamente que outros, como tudo o mais na vida!

As pessoas o procuram muito pra fazer previsões?...

- Sim, a busca pelo conhecimento do futuro é tão antiga quanto a própria humanidade, mas não é só assim que eu trabalho. Os símbolos foram inspirados aos homens para que através deles fosse possível sondar os três tempos, mas também as profundezas de sua alma visando a evolução! Evoluir é urgente! A compreensão dos símbolos da alma auxilia na compreensão de si mesmo e impulsiona o crescimento pessoal, tanto no âmbito intelectual quanto espiritual.
Nosso desenvolvimento e ocupação neste planeta ocorreram rápido demais, bem como sua depredação! Temos de evoluir para partir para outras rondas evolutivas em outras dimensões. A vida aqui não se sustentará por mais tempo nesse ritmo.

Hum!...
Balbuciou mais uma vez o meu irritante inquiridor.

Vamos me fale um pouco dos outros mestres, suas histórias e dons... Afinal, não posso sair daqui sem saber um pouco sobre eles!

Ludimila - A Guardiã Azul do Oeste


A guardiã do Oeste era uma menina pálida e de cabelos negros, que antes de chegar à ordem era assombrada por seus próprios dons. Via entidades estranhas e falava com os desencarnados, além de obter profecias em sonhos. Os pais a mandaram para intermináveis psiquiatras que a enquadraram em um ou mais distúrbios e a encheram de pílulas. Quando chegou até mim começamos seu treinamento, tiramos o medo das visões e eu a incentivei a conversar com as entidades. Logo vi que ela era da água. O elemento da profundidade, das visões disformes deste e de outros mundos. Hoje é uma médium e canalizadora, faz curas com poções, unguentos e chás, e interpreta sonhos. É rezadeira e benzedeira, ofício que ela havia aprendido com a avó, que embora nunca tenha sido iniciada, era uma sacerdotisa das águas do Oeste. Ainda muito tímida Ludimila padece um pouco com o atendimento às pessoas, tem dificuldades para impor limites. Recebe a todos que chegam até ela como se fossem velhos amigos, com chás e bolos deliciosos que ela mesmo faz. De todos os outros três Guardiões essa é a que mais tem o meu afeto. Sua fragilidade me comove e é a que mais vem a mim.

Ágata - A Guardiã Verde do Norte


A Guardiã do Norte é a mais isolada dos mestres e a que menos afinidade tem com os seus irmãos de jornada. Muito embora nunca tenha me dito uma única palavra eu vejo nos seus olhos todo o desdém por Ludimila e Lug em nossos encontros. Sua sobriedade e disciplina a fazem enxergar a vida com dureza. Considera a Guardiã do Oeste uma tola e o Guardião do Sul um moleque irresponsável! Mesmo a mim ela visita pouco. Quando a conheci era uma moça muito desconfiada de suas experiências místicas, mas que adorava longas caminhadas por florestas e lugares agrestes. Sentiu logo que podia se comunicar com os animais, ouvir suas súplicas e intenções e que as plantas revelavam seus segredos medicinais quando ela apenas as observava atentamente! Custou muito a testar as coisas que lhe eram inspiradas, achava que estava louca! Os pais a achavam estranha, e consideravam sua falta de sociabilização preocupante. De fato ela sempre preferiu a companhia das coisas selvagens e assim que recebeu sua iniciação partiu para um sítio que havia herdado de seu avô e logo o transformou num abrigo para animais selvagens resgatados de criadouros ilegais ou que ficaram órfãos em seu habitat. Dedica-se a educação ambiental e a cura com ervas e óleos aromáticos extraídos das plantas. Reconhece o corpo como o templo sagrado da alma, o que a fez ser uma curadora do toque, utilizando-se de várias técnicas corporais e energéticas de cura!

Lug – O Guardião Vermelho do Sul


O mais jovem dos Mestres Guardiões é o jovem Lug. Ele foi uma dúvida muito intensa para mim, embora nunca tivesse suspeitado de suas mágicas ligações com o elemento fogo me preocupou o modo como ele usava os seus dons. Ele é de fato um jovem belo e sedutor que gosta muito de seduzir as pessoas. Embora de temperamento efusivo e cativante sua natureza brutalmente masculina, selvagem, indômita e intensamente sexual o fez angariar inimigos e amantes de ambos os sexos.
Ele veio até mim quando todas as suas aventuras e orgias criaram mais dissabores do que prazeres. Eu o fiz resgatar as experiências mágicas que ele tinha vivenciado quase sem se dar em conta! Então ele se lembrou do relato de seus amigos que juravam ver as labaredas das fogueiras das festas juninas desviarem dele como se não quisessem queimá-lo ao pular sobre elas. Lembrou-se também de ver as dançarinas do fogo saltitando e falando com ele nas fogueiras e lareiras, passando-lhes encantamentos e segredos para seduzir quem quer que fosse. Mostrou imensa habilidade artística para trabalhar a madeira e confeccionar talismãs mágicos! Como todo o Mestre do fogo a arte da consagração de objetos sagrados é de seu domínio. Hoje ele é um poderoso mago que realiza rituais de desobsessão de pessoas e ambientes lutando contra as forças das trevas que acompanham certas almas às vezes por muitas e muitas vidas! 

Pois é... O fogo não é o elemento do amor e das paixões? – Questionou o rapaz mostrando seu conhecimento das funções mágicas dos elementos.

- Sim, ele também realiza encantamentos de amor e união amorosa, pois o fogo é que rege as paixões humanas, tanto boas quanto más! E esse é talvez o trabalho mágico mais difícil, pois só pode ser unido no plano terreno o que já está unido no plano espiritual e a maioria das pessoas é unida só pelo desejo biológico ou pelo apego do ego. Então ele tem de lidar com as frustrações de muitos egos todos os dias! Ele tem o poder de proteger e unir, o que requer grande força espiritual. Como é um guerreiro do fogo, ainda há batalhas que são travadas dentro dele mesmo, suas paixões vez por outro o assolam!

Como meu interlocutor continuava pensativo e de cabeça baixa, achei apropriado acrescentar:
- Sabe, nossos desafios pessoais não acabam por que nos tornamos Mestres de uma ordem, creio até que eles se intensifiquem para que sejamos levados mais rapidamente a nossa transformação e subsequente evolução.
Depois de uma longa pausa, como quem houvesse comido ou bebido demais de uma única vez, o jovem jornalista me perguntou:

No que exatamente consiste o trabalho de vocês? São Guardiões do quê?

Também fiz uma pausa como quem sabe que atravessará o trecho perigoso de um rio com correntezas poderosas e revoltas, porque é assim a natureza da mente das pessoas modernas. Elas são estimuladas a ter todas as dúvidas e a desconfiar até mesmo de seus corações!... Seus pensamentos se debatem como as águas de uma corredeira sem nunca descansar. Tomei fôlego e respondi:
- Tudo o que vive possui uma consciência, ou uma alma se preferir. Essa alma ou consciência anima tudo o que existe neste mundo e como o corpo que precisa de manutenção, com higiene, boa alimentação e exercícios a alma das pessoas e do mundo precisa ser nutrida com orações, meditações e ritos e é assim desde o princípio dos tempos, quando os homens conseguiam perceber essa emanação viva que fluía da natureza. Como nem todos estavam no mesmo nível de consciência, houve aqueles que se fascinaram com essa força, e houve aqueles que a temeram. Os que foram movidos pelo medo fizeram de tudo para “dominar” os elementos, ou minimizar sua importância. Hoje muitos creem que a terra é uma coisa morta, e outros a veem apenas como um depósito de minerais e micro-organismos.
Nós sabemos, porém, que os elementos são vivos e os saudamos e vitalizamos com ritos ancestrais a sua alma e seus habitantes não físicos, os elementais. Os rituais sagrados e atávicos que professamos mantém a força vital dos elementos para que resistam à ocupação humana e continuem auxiliando a humanidade em seu trabalho de crescimento e desenvolvimento! Somos os remanescentes de um tempo em que se compreendia perfeitamente que nada existe sem a circularidade da troca e do cuidado mútuo. Como a raça humana virou-se contra a natureza no que chamou de progresso, nosso trabalho ficou ainda mais árduo!  À medida que os homens se afastaram do respeito à terra, toda a destruição moral e ecológica se intensificou e não diminuirá mais o seu ritmo. A incredulidade numa outra vida que habita este planeta junto dos elementos naturais é a marcha lenta de nossa extinção.
Depois de mais uma pausa, que para minha surpresa não seguida de um “hum”, ele perguntou:

Existem outros como vocês?... Quero dizer há outros mestres empenhados nesta missão?

- Meu Mestre dizia que sim, que muitos outros magos de outras culturas e religiões estavam espalhados pelo mundo trabalhando pelo mesmo objetivo, mas que eram em número cada vez menor... Isso já naquele tempo! Ele insistia de que fazer bem nosso próprio trabalho era o mais importante.

Isso precisa ser divulgado, mais pessoas precisam saber disso, tomar parte neste movimento!... Quem sabe mais adeptos aos ritos ancestrais da terra possam surgir...

- Não, não... - Disse eu ao garoto – Não precisamos de muitas pessoas, precisamos sim de pessoas comprometias, e elas sempre são poucas! Os afins se encontram como abelhas encontram uma flor mesmo que a quilômetros de distância!... É assim! Muitas pessoas atraem os confusos e aqueles que precisam de comprovações e esses dois tipos não prestam serviço nenhum a nossa causa! Veja o que eu lhe contei sobre os outros Mestres! Estavam todos confusos quando chegaram, imagine se topassem com esses tipos circulando por aqui. Eles teriam se perdido para sempre como os céticos e os cheios de literatura mágica! Parecem tipos tão diferentes entre si não é? Mas na verdade padecem do mesmo mal! São filhos da mesma interpretação distorcida do mundo espiritual...

Desculpe, mas eu discordo do Senhor! - Disse o rapaz cheio de brilho heroico – Deixe-me falar com os outros. Não vim aqui por acaso, sinto que devo divulgar o que vem sendo feito aqui por vocês. Se o senhor não me der seus endereços, eu mesmo os acharei!

- Ora, nada disso é preciso! Eu lhe dou os endereços dos outros Guardiões. Anotei num papel o endereço e telefone de Ludimila, a Guardiã do Oeste, enquanto o jornalista que pensava ter uma missão olhava fixadamente para o chão.

- Tome - Disse eu passando-lhe o papel com o endereço - Visite Ludimila, ela lhe passará também de bom grado o endereço dos outros.

Sem dizer uma palavra ele levantou o olhar e disparou:
O senhor podia tirar uma runa para mim? Quero saber se serei bem sucedido nesta tarefa.

Não indaguei o motivo de ele ter escolhido as runas, apenas levantei fui até minha prateleira de livros e oráculos e peguei o saco de runas, balancei-o um pouco e pedi para que tirasse uma peça.  Ele tirou Isa, a runa dos gigantes do Norte. Ele não concluiria sua missão, seria impedido. Nesse momento eu puxei uma peça e saiu Laguz, a runa das águas e dos líquidos em geral. Eu sabia bem o que isso queria dizer, outros que achavam possuir a mesma missão tiveram o mesmo fim. Ele encontrará Ludimila e tomará os chás que ela servirá a ele nesta visita, e um deles será uma poção do esquecimento, e então ele sairá de lá com a sensação de que esqueceu algo, e esse algo será esse gravador minúsculo que ele carrega. Depois ele se convencerá que não trouxe gravador nenhum e enquanto resolve essa questão terá esquecido por completo de nossa conversa e do que foi fazer na casa do Oeste.

Hoje, enquanto ele estiver dirigindo para encontrar a Guardiã das águas os guias dela a avisarão sobre o risco de sigilo que nossa ordem está sofrendo, em sonho ou visão, e ela tomará exatamente esta providência, como o fez tantas outras vezes.

E então? – Você será impedido, sua memória o trairá! Disse eu com o coração apertado por desmembrar a verdade, cuja integridade sempre foi tão preciosa para mim.

Não serei impedido não. – Disse com um sorriso que irradiava ainda mais o brilho da confiança, guardou no bolso e endereço e saiu.

Fiquei pensando que o que trouxe a aquele jovem até mim foi, mais um a vez, a busca pela luz. E mais uma vez eu testemunhei uma pessoa que não sabe o que fazer quando encontra esta luz. Uns acabam se convencendo de que foi um truque da imaginação. Outros creem ter achado uma verdade que “precisam mostrar ao mundo”, quando eles mesmos não entenderam o significado!
Sinceramente eu nunca acreditei que alguém mais interessado na notícia do que em suas consequências seria um Mestre Guardião, mas como Mago do Leste tenho a obrigação de receber a todos os que se interessarem pelo Caminho, e que potencialmente venham a ser futuros Mestres, afinal eu mesmo estou a espera do meu sucessor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário