terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Magna Obra...



O ofício do poeta é escavar a pedra dura
dos fatos e da rotina, é garimpar na areia dos dias
a poesia intrínseca que habita todas as coisas... 
Revelar a música que se oculta 
na água, na pedra, no vento, 
no vazio da esquina,
no parapeito da janela que, 
morosamente, contempla o infinito...
O ofício do poeta traz 
o antagonismo de quem
procura um mirante nas estrelas
mergulhando fundo em si mesmo...

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Canção do Puro Amor...



A donzela diz:

"O Amor é isto, que caído sobre ti
te fez de anônimo a amado e fundamental.
E te fez meu amado e portador
dos sentidos de ser, sorrir, e existir
que somem contigo quando não estás...

O Amor é isto que abriu na tua face
a beleza mais pura e comovente
que a criança em ti coloriu por noites
e noites de sonhos, e que ofertaste 
ao mundo e ele não o reconheceu...

Mas eu, eu agora vejo o brilho
desacreditado que mora em ti,
e de ti mesmo olvidado quando
te digo que és belo meu amado,
e o menino intimidado me sorri

do fundo do tempo mais puro
que jaz em ti... O Amor é isso,
a cor mais bonita que não consigo
te mostrar... A melodia mais fina
que não posso te fazer escutar...

E o verso mais lindo que não consigo
a ti declamar. Então, o contraditório
do Amor é o de lançar-nos tão
intensamente ao outro e nos deixar
ainda mais trancafiados em si..."

Sobre Caminhos...

Tem caminhos que se acha, tem também caminhos que nos acham... Mas eu acho que tem  caminhos que se acha dentro, depois de muitas j...