sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Do Sonho Amoroso



Eu quero varrer de mim
as tristezas que teci, 
e que deixaram em mim,
para ouvir de ti
tuas histórias 
mil vezes contadas...
Quero deitar contigo
e ouvir teus segredos,
e o bater do peito,
e aspirar o teu cheiro,
e sonhar que tudo isso
será sempre só isso
por um tempo inimaginável...
Me leva contigo, vamos fugir,
abro mão dos meus mistérios,
rasgo o estandarte
das minhas buscas
para fugir e sonhar...
E apossados dos segredos
nossos, que sejamos
para sempre cativos
do silêncio amoroso
meu e teu... Vem,
vamos sonhar que será
eterno e sem fim, pois
só quando sonhamos
com o sempre é que
podemos de fato
viver e saber
o que é ser feliz...

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Canção do Puro Amor...



A donzela diz:

"O Amor é isto, que caído sobre ti
te fez de anônimo a amado e fundamental.
E te fez meu amado e portador
dos sentidos de ser, sorrir, e existir
que somem contigo quando não estás...

O Amor é isto que abriu na tua face
a beleza mais pura e comovente
que a criança em ti coloriu por noites
e noites de sonhos, e que ofertaste 
ao mundo e ele não o reconheceu...

Mas eu, eu agora vejo o brilho
desacreditado que mora em ti,
e de ti mesmo olvidado quando
te digo que és belo meu amado,
e o menino intimidado me sorri

do fundo do tempo mais puro
que jaz em ti... O Amor é isso,
a cor mais bonita que não consigo
te mostrar... A melodia mais fina
que não posso te fazer escutar...

E o verso mais lindo que não consigo
a ti declamar. Então, o contraditório
do Amor é o de lançar-nos tão
intensamente ao outro e nos deixar
ainda mais trancafiados em si..."

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O Ciclo da Esperança



o, não é o Natal um rito sem sentido,
é uma síntese ritualística do que vivemos
todos os dias... É a busca da força e a
renovação da fé na espécie humana...

É reforçar a embarcação dos sonhos
para cruzar os mares desta vida, 
é o içar das velas do pensamento
para ir além das lutas, dos medos...

É seguir adiante apesar dos monstros
que habitam nossas noites e corroem
a estrutura das nossas lidas, e sopram
as velas na nossa jornada pelos dias...

É o renascer sazonal da luz que nos habita
e que ao longo do ciclo oscila, por vezes
se apaga, ou tremeluzindo de medo pede
a nossa ajuda para seguir nossa trilha

O Natal é o encontro de todas as luzes
de dentro, com todos os sonhos do alto
que apaga todas os reveses da diferença
para exaltar as orações do silêncio...

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Vendavais Comuns


O vento das circunstâncias
corrói memórias e alianças,
transforma em pó
as mais íntimas lembranças,
e fatia em duas partes
qualquer íntimo afeto.

De um lado ficam
saudade e esperança,
e do outro, por caminhos
de silêncios, prados
e mais prados 
de esquecimento...

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Somiador



Conto a pulsação da noite
e mais uma vez, a escuridão
mais funda vive na face oculta
da terra...

E somos todos, por breve
eternidade noturna,
herdeiros dos seus monstros
e fábulas, dos seus versos
e mistérios...

E viajamos amalgamados
aos seus segredos, revelados
e não revelados pela mente
cortante dos homens...

Mas só a percebe pulsar
os poucos sonhadores
acordados que velam
por todos os negrores
desse mundo...

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Comunicação



No topo do mundo
urdiam estrelas
o destino das gentes,
deslizavam nuvens
plangentes,
e nos canteiros
perfumes do ventre
da noite dançavam...

Tremia a vela do rito
desenhando arabescos
de luz em direção
ao firmamento...

Escutando a voz do silêncio
o poeta catava da noite
sua íntima comunicação 
com o invisível, o vácuo,
o sonho, e o infinito
transcendente....

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Sexo Virtual



São paisagens de tristeza 
essas que rebusco
com matizes de beleza, 
ares coloridos de festa
e de estrela... E que prendo 
aos olhos de quem me lê,
e de quem com seus olhares 
colhe em cachos 
a minha intimidade, 
travestida de sopros 
de tardes eternas 
cobertas de azuis,
e rimas, e ventos, 
e lembranças enluaradas...

E nessa confusão lírica, 
temos, leitores e eu,
uma transa poética...!