quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Silêncio nos Confins



As nuvens carregaram silêncios 
por sobre nossas cabeças...
Espalharam azuis até os confins da tarde 
e costuraram, finamente,
poemas na linha do horizonte, 
onde o Sol repousava a sua cabeça...

As bruxas do vento tocaram a harpa 
da folhagem das árvores pelo campo,
e o sono lambeu a fronte do gado e das gentes... 
O tempo ficou vazio e parado,
e o olho do dia fechou-se todo no transe 
prateado da lua na lonjura do céu!

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Aos Amigos Queridos



Aos amigos
cujos abraços foram sementes 
lançadas no meu coração,
cujos olhares foram chuva 
sobre minha solidão...

Obrigado pelos carinhos do olhar,
a candura das palavras,
e o afago da lembrança
nesses bilhetinhos que lançamos 
sobre os ventos das redes sociais

Obrigado por vossa presença,
e me perdoem se minha ausência
pareceu esquecimento ou indiferença.
Levo-os todos comigo, sempre,
em meu coração e em minha cabeça...