segunda-feira, 2 de outubro de 2017

O Jardim das Delicadezas


Eu vivo nessa pulsação 
com as coisas simples deste mundo

O cheiro do café passado
nas manhãs,
o canto dos sabiás
entre setembro e outubro,
o silêncio da noite,
os caminhos inexplorados
das ruas que eu cruzo,
a solidão das esquinas,
a chegada da chuva,
a sonata das trovoadas,
o perfume da terra...

E a honradez do espinheiro,
que floresce mesmo
que ninguém o ame...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lonjuras da Memória...

Havia sempre livros na mesa, mas quando eu chegava ela estava com a tevê sempre ligada, mas nunca na frente, nunca à ela presa... Co...