segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Sonoridade




















A chuva caiu com seus versos
por sobre os telhados,
gotejou nos canteiros

Escorreu por entre as canaletas 
dos meus dedos até
o açude do poema no papel.

Eu colhi sua música,
capturei o seu cheiro
e estendi em palavras
sua sonora clareza...

Mas ela esvaiu-se
por entre as valas do silêncio
e da indiferença, de um mundo
que ficou cego para a beleza...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desencontro

Deus mora nas alturas do nosso pensamento, e só o vemos perfurando  com a espada do silêncio o teto escuro dos sentimentos, que fic...